A 21 de agosto de 1968, forças do Bloco Soviético invadem Praga, a capital da antiga Checoslováquia. O Instituto Diplomático dá a conhecer alguns documentos alusivos às reações internacionais perante este acontecimento histórico.

Na sequência dos avanços soviéticos durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), a República da Checoslováquia acabou por se tornar num Estado satélite da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS).

Mesmo pertencendo ao Bloco de Leste, os checoslovacos não ficaram imunes às mudanças socioculturais que varreram as nações ocidentais na década de 60. Também na Checoslováquia se aspirava por mais liberdade. Neste contexto, Alexander Dubček, líder do Partido Comunista da Checoslováquia, começou a implementar um pacote de reformas à revelia de Moscovo. Essas reformas incluíam a abolição da censura, a liberdade de reunião e associação, e a adoção de uma nova doutrina económica. A “Primavera de Praga” acabou por ser esmagada pela força militar. A reação internacional foi imediata.

Consulte abaixo os documentos que relatam as posições de Paris e de Bona, capital da antiga República Federal Alemã, contra o uso da força orquestrado pela União Soviética.

 

Telegrama da Embaixada de Portugal em BonaTelegrama da Embaixada de Portugal em Paris
Telegrama Bona  Telegrama Paris 1