Conferência de Algeciras ( 1906)

 

Países


Relações Diplomáticas:

  • A Conferência de Algeciras decorreu entre 16 de Janeiro e 7 de Abril de 1906 e teve como objectivo encontrar uma solução para a denominada “Primeira Crise Marroquina” (1905) que foi suscitada pela pretensão da Alemanha se opor às tentativas francesas de estabelecer um protectorado sobre Marrocos.
    Estiveram presentes representantes da Alemanha, Austria-Hungria, Reino Unido, França, Rússia, Espanha, Estados Unidos da América, Itália, Marrocos, Holanda, Suécia, Portugal e Bélgica.

Enviaturas:

  • Portugal esteve representado pelo Ministro Plenipotenciário da Legação em Madrid, Conde de Tovar e pelo Ministro Plenipotenciário da Legação em Tanger, Conde de Martens Ferrão.

Notas:

  • A Península Ibérica era no início do séc. XX, marginal aos desenvolvimentos diplomáticos das potências europeias e resolvida a questão colonial portuguesa na sequência do Ultimatum, a Europa desinteressava-se de Portugal que corria o risco de esbater-se na cena internacional.
    Para Portugal, possuidor de diversos territórios no Atlântico, uma das preocupações derivava da possibilidade adquirir um porto na costa marroquina do Atlântico, porque isso poderia provocar instabilidade no Estreito de Gibraltar e no Mediterrâneo. 
    A Entente Cordiale de 1904 definiu os termos da cooperação diplomática entre o Reino Unido e a França, reconhecendo o domínio britânico sobre o Egipto e um controle francês sobre Marrocos. A oposição da Alemanha e o risco de um conflito armado na Europa, persuadiram o Presidente dos Estados Unidos da América, Theodore Roosevelt, a convocar uma conferência internacional para tentar resolver a questão.
    O Governo de Lisboa pautou a sua posição no respeito da sua aliança com o Reino Unido, apoiando os interesses “legítimos” da França e os direitos “históricos” da Espanha em Marrocos, bem como tentou evitar quaisquer confrontos com as teses alemãs.
    O resultado final, marcado pelas divergências franco-alemãs, permitiu que os países pequenos como Portugal viram salvaguardadas as suas preocupações, mantendo-se o princípio da porta aberta no trânsito marítimo, mesmo despois do estabelecimento do protectorado francês em Marrocos em 1912.
    O Acto Final da Conferência, assinado em 7 de Abril de 1906, abrangia um vasto leque de questões, destacando-se a constituição de uma organização marroquina de polícia e questões alfandegárias, repressão do contrabando e benefícios a diversas entidades bancárias europeias a serem concedidos pelo novo Banco Estatal de Marrocos. 
    Porém, a França mantinha o seu protectorado sobre questões essenciais. A insatisfação alemã, desejosa de alargar os seus domínios coloniais,  com a situação de Marrocos conduziria, em 1911, à denominada “Segunda Crise Marroquina”.   
     O AHD possui no seu espólio a documentação relativa a todos os procedimentos desta Conferência ( S12 E28 P4 – 76651)